11/02 19:39

Tocha olímpica visitará três cidades do Maranhão

O turismo é feito de narrativas. Em 2016, o Brasil terá uma excelente oportunidade para construir um imaginário global positivo sobre o país. A um ano da Olimpíada e Paraolimpíada temos pressa para preparar as peças do imenso mosaico que vai formar a imagem da nossa nação quando o mundo olhar mais uma vez para o país. Enganam-se aqueles que pensam que esse é um assunto exclusivo para a Prefeitura do Rio de Janeiro, para o governo do estado ou, no máximo, para o governo federal. Trata-se de uma oportunidade para a capital Brasília e os outros 26 estados.

Na Copa do Mundo, quase 500 municípios foram visitados. Os mais céticos ou críticos argumentarão que o mundial de futebol foi pulverizado por 12 cidades-sede, enquanto os jogos olímpicos serão concentrados no Rio de Janeiro e outras cinco cidades onde ocorrerão as partidas de futebol – Brasília, São Paulo, Belo Horizonte, Manaus e Salvador. No maior evento esportivo do mundo, no entanto, teremos o tour da tocha, uma chance de ouro para distribuirmos os ganhos para todo o país.

O fogo olímpico vai percorrer o Brasil e as imagens geradas serão distribuídas pelo mundo. A criatividade, o carisma e a espontaneidade do brasileiro serão capazes de cativar turistas em potencial espalhados pelo mundo.

Pouco a pouco mostramos a nossa competência em organizar grandes eventos para diversos perfis de públicos. Num passado recente sediamos a Rio+20, Jornada Mundial da Juventude, Copa das Confederações e Copa do Mundo. O “Não vai ter Copa” ou “imagina na Copa” cederam espaço para um clima de euforia espalhado pelas ruas e difundido pelas mídias nacional e internacional.

Aceleramos a curva de aprendizado e antecipamos investimentos necessários para o Brasil transformar-se numa potência turística por conta desses eventos. Temos atualmente as melhores condições de disputar em nível global o viajante internacional. O estudo bienal focado no turismo do Fórum Econômico Mundial revela que somos o país mais competitivo do setor na América Latina. Subimos 23 posições de 2013 para 2015. Antes do mundial de futebol aparecíamos em 51º lugar num ranking de 141 nações. Saltamos para a 28ª colocação este ano. No item “atrativos naturais” somos líderes globais. Avançamos também nos quesitos recursos culturais e humanos, infraestrutura turística e de transporte aéreo, passagens aéreas e hotelaria.

Todas essas vantagens de nada adiantarão se não soubermos aproveitar as oportunidades que conquistamos para aumentarmos o interesse do estrangeiro e do brasileiro por conhecer o próprio país por meio de narrativas únicas.

Das lições aprendidas nos últimos eventos, destaca-se a importância do planejamento. O Ministério do Turismo vai reunir no início de setembro em Brasília, governadores, prefeitos, secretários de turismo e representantes da iniciativa privada para sensibilizá-los da importância da Olimpíada para o turismo brasileiro. Também, sob o comando da presidenta Dilma Rousseff, vamos circular por todos os estados para, em reuniões técnicas, preparar o tour da tocha. Definir metro a metro o roteiro de 20 mil quilômetros a ser percorrido pela tocha que será transportada por 12 mil pessoas.

No Maranhão, a tocha olímpica vai pernoitar na capital São Luís e na cidade de Imperatriz. O engajamento de todos é fundamental para transmitirmos ao mundo a mensagem que queremos e despertar o interesse de milhões de turistas em potencial para esse país. Os elementos nós temos. O desafio é juntar as peças, construir a narrativa e criar o sonho tão essencial para o turismo.

Henrique Eduardo Alves, ministro do Turismo

Contatos

contatos

Avenida dos Holandeses, 9,
Quadra. 33,
São Luís - MA

Tel: 98 3232-0995 | 3231-0822

Links Úteis
Localização

localização

Click to open larger map